Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘publicidade’

Chegou devagar, gravata frouxa, jeito relaxado, à mesa da nova menina do Departamento de Criação (era mesmo uma menina, apesar de ter-se formado em publicidade havia um ano). Ela examinava umas fotos, de uma rua ou de uma feira; ele viu pelo olho periférico, mas não conseguiu definir. Reparou bem nela: cabelos supernegros, jeitinho clean (como quase todas ali), vinte por cento dos peitinhos aparecendo na blusa de verão. Sorriu ao lembrar como seu pai a definiria: um pitéu. Tinha aquele cheirinho de fundo de perfume seco, igual a todas. Ele pôs os cotovelos na mesa, seu rosto ficou muito próximo ao dela. Era o dono da agência, podia fazer qualquer coisa.

“Tô a fim de você”, disse com firmeza, mas em meia voz, para não chamar a atenção da outra garota na mesa do lado.

Ela levantou os olhos, nem a cabeça mexeu. Encarou-o, séria:

“Quantos centímetros?”

“O quê?”

“Quantos centímetros?”

“Não entendi. Centímetros…?”

“De membro viril. Pênis. Caceta. Quantos?”

Impossível evitar a pausa constrangida. Ela continuava a fitá-lo nos olhos, sem dor nem expectativa.

“Não foi minha intenção magoá-la. Uma brincadeira.”

Ela usava aquele batom meio escuro que lembra bocas de vampiros. Será que ele teria visto um sorriso nascendo sutil nos movimentos das suas bochechas, um pouco mais cheias do que deveriam?

“Você não me magoou. (Veludo de voz…) Tenho estreitamento vaginal e não posso perder tempo com homens de pau um pouquinho além do normal”.

Ela continuou a encará-lo, enquanto ele dava meia-volta e sumia da sala, apressado. (Teve certeza: aquilo não era mesmo um sorriso a nascer no rosto da moça).

Pelo vidro azul da janela, o dono da agência viu o trânsito parado lá embaixo. Pensou no crescimento difícil da empresa, nos sócios americanos complicados. Naquela semana, não iria escapar de uma ou duas noites de trabalho. Sua mulher gastava cada vez mais nos cartões de crédito e o seu caçula destruíra o segundo automóvel importado. Filho da puta.

Do livro “Allegro”  – Editora Terceiro Nome, São Paulo, 2003.

Anúncios

Read Full Post »